quarta-feira, 10 de julho de 2013

FÉRIAS

Todos os militares sergipanos sabem da importância de um parlamentar para nos representar. O parlamentar possui imunidade por opinião, palavra e voto e, por isso, está imune ao famigerado Código Penal Militar.

Pelo fato de estarmos órfãos, não iremos nos arriscar até vermos um praça ser eleito deputado estadual (e/ou federal) para representar nossos interesses.

Por este motivo, apesar de termos prometido voltar com nossas postagens no mês de julho, estaremos entrando em férias por tempo indeterminado, até nosso candidato ser lançado junto à tropa.

Férias: eu mereço!

QUE DEUS NOS AJUDE E OLHE POR NÓS!

quinta-feira, 9 de maio de 2013

A tropa foi usada para barganhar o Proinvest. E agora?

Como o leitor bem sabe, estamos evitando a postagem de novos textos devido ao marasmo em que se encontram as mobilizações da família militar. Não que a tropa tenha se acovardado, longe disso, mas devido à ausência daquele que deveria ser nosso "líder maior", estamos desconfiados de que retaguarda poderíamos ter em caso de manifestações ou atos de luta.
 
Infelizmente, a única associação que luta pela categoria é a AMESE. As outras, todos bem conhecemos: além de estarem no bolso do deputado e do governo, seus presidentes usam do status de "presidente de associação" para conseguirem cargos em comissão para parentes, verba de subvenção, patrocínios diversos, etc. Por este motivo, todas estas abandonaram a luta de classe e se transformaram em empresas profissionais, que vendem desde tratamento estético até camarotes de festa onde a tropa é empregada á exaustão.
 
Nós do blog somos agradecidos em ainda podermos contar com pessoas do quilate da diretoria da AMESE. A nosso ver, talvez seja a única que ainda luta pelos direitos dos militares.

Anotem aí: é bem melhor termos uma remuneração igual à da PCSE, carga horária definida e nível superior para ingresso do que "recebermos" vales, "empréstimos", ou planos de saúde ou telefônicos. Até porque NENHUM destes benefícios é GRATUITO e TODOS são temporários.

Avante Sargento Edgard e demais membros da AMESE e que TODOS os militares estaduais assistam a este vídeo e encaminhem para a sua lista de e-mail e compartilhem nas redes sociais a verdade sobre a aprovação do PROINVEST e a BARGANHA feita por um deputado usando a tropa.


INSISTIMOS, ASSISTAM A TODO O VÍDEO E FIQUEM BEM INFORMADOS!

QUE DEUS NOS AJUDE E OLHE POR NÓS!

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Das voltas que o mundo dá

Todos lembram, no ano passado, de um incidente ocorrido no município de Lagarto no qual 17 policiais militares foram indiciados pelo comandante do batalhão, TC Sérgio, pelo fato de terem se negado a trabalhar em viaturas irregulares.

Pois, bem,  o mundo dá voltas, e como dá!


Para não sermos injustos, o TC foi autuado na "Lei Seca", conduzido à delegacia e liberado mediante fiança segundo informações do comandante da CPTran.

Mas, e se fosse um praça?

QUE DEUS NOS AJUDE E OLHE POR NÓS!

quarta-feira, 6 de março de 2013

Gratificação de Periculosidade sobre risco!

Semana passada, os militares estaduais sergipanos acordaram em polvorosa ao ouvir em um programa radiofônico local que o secretário de Administração, Oliveira Júnior, teria consultado a PGE sobre a possibilidade de retirar a gratificação de periculosidade dos profissionais de segurança pública que se encontrassem de férias ou LE. Para os que ainda não verificaram seus contracheques, este valor é de 771 reais para um soldado. Um valor altamente considerável para quem vive de salário.

Prontamente, "nosso" deputado consultou o Secretário Sílvio Santos e fez divulgar em alguns sites locais e redes sociais que tal consulta não passaria de boato. (Clique aqui para relembrar o caso).

Acontece, que não satisfeito em receber uma declaração proveniente do governo que sempre mentiu para os militares, o bravo sargento Edgard oficiou a Casa Civil para saber se realmente tal consulta houvera sido feita. Para nossa surpresa (na verdade não nos surpreendemos mais com o governo mais mentiroso da história para os PMs e BMs) a consulta foi realizada. E o pior, a PGE disse que não temos direito à gratificação de periculosidade em caso de férias, LE e até mesmo, e (preparem-se para isso) os que estão na reserva remunerada. Clique aqui para ler o parecer da PGE na íntegra!

 A pergunta que alguns comentaristas do blog fazem é a seguinte: e por acaso o PM ou BM deixou de ser profissional nas férias!

Agora vejam o nível de representação que possuímos... Nossa remuneração está correndo risco e não vemos secretário de segurança pública, comandantes, políticos, ninguém se pronunciar nos meios de comunicação em nossa defesa. NINGUÉM!

Aliás, quase ninguém...

Um punhado de praças bem intencionados que pertencem a uma associação combativa compraram a briga, mas, são simples praças contra o poder estatal. Além disso, as várias perseguições aos nossos companheiros (processos, transferências, etc), desmobilizaram a tropa, a princípio.

Nossa sorte é que o tal Oliveira Júnior, ao fazer a consulta a PGE, colocou a mesma de forma genérica e pôs os delegados de polícia no mesmo processo. Como bem sabemos, quem manda na SSP são eles e NINGUÉM ousará cortar seus vencimentos, se é que vocês, leitores, nos entendem.

Enquanto nosso salário corre risco, será realizada uma audiência pelo nosso representante, para homenagear os jegues sergipanos:


MAIS DO QUE NUNCA: QUE DEUS NOS AJUDE E OLHE POR NÓS!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Um simples sargento, na Folha de São Paulo

 Gente, em edição extraordinária tivemos que voltar...

Temos um comandante geral, um secretário de Segurança Pública, um governador, um "deputado" e seus assessores. Mas ninguém, absolutamente ninguém, se pronunciou em nossa defesa no caso Rita Lee.

Fomos xingados, espezinhados e humilhados e a nossa sorte é ainda termos homens como os sargentos Edgard e Vieira e o capitão Hildomário à frente da única associação que luta pela categoria.

Essa decisão gera precedente perigoso. Agora qualquer cantor poderá nos xingar em shows e não poderemos, a princípio, nos sentirmos ofendidos e buscarmos nossos direitos. 
Demais comentários com os leitores.
 
26/02/2013 - 18h07

Justiça nega indenização a PMs envolvidos em confusão com Rita Lee

PUBLICIDADE
LUCAS NOBILE
DE SÃO PAULO
O juiz substituto do 7º Juizado Especial Cível, Alexandre Lins, julgou improcedentes pedidos de indenização por danos morais feitos por 35 policiais militares que se sentiram ofendidos pela cantora Rita Lee durante um show em janeiro do ano passado no município de Barra dos Coqueiros, em Sergipe.
Cada policial havia entrado com uma ação, cobrando indenização no valor de R$ 24.880.
Durante a apresentação, Rita Lee criticou a agressividade de policiais militares com o público. Na ocasião, a polícia afirmou ter agido porque parte da plateia fumava maconha.
"Esses cachorros, filhos da puta, não vão prender ninguém", disse a cantora. Ela foi detida por apologia ao crime e por desacato, levada à delegacia e depois liberada.

Maria Odilia - 28.jan.12/Folhapress
A cantora Rita Lee durante show na praia de Atalaia Nova, em Sergipe, em 28 de janeiro de 2012
A cantora Rita Lee durante show na praia de Atalaia Nova, em Sergipe, em 28 de janeiro de 2012
De acordo com a sentença, a cantora não fez ofensas abrangentes à classe militar nem a todos os policiais presentes no evento. "As imagens não deixam dúvida de que a requerida, durante todo tempo, dirigiu-se a um grupo restrito de policiais que estava próximo ao palco. Xingamento, ironia, deboche, tudo ocorreu sem referência genérica a policiais ou policiais militares. Aliás, durante o episódio sempre houve contato visual entre a acionada e o grupo de policiais a que se dirigia", sentenciou.
"Mesmo que ele estivesse na festa, em serviço ou não, a manifestação supostamente ofensiva não lhe foi dirigida. Desta forma, a análise quanto à possível ocorrência de dano moral indenizável pressupõe que o autor seja um dos policiais próximos ao palco. Mas tal circunstância não pode ser presumida, tem que ser provada. E este ônus cabe ao autor. Destarte, ante a ausência de prova quanto ao fato de o autor ser um dos policiais próximos ao palco, o pedido deve ser indeferido", completou o juiz.
Na sentença, Lins decretou que "a honra daqueles servidores não foi atingida, mas sim a imagem da polícia e do próprio Estado", decretou o juiz.
Carlos San Severino, advogado de Rita Lee, considerou a sentença como "uma grande vitória".
"Comovida com a notícia inesperada, vou me abster de comentar sobre vocês sabem quem. Obrigada queridos", comentou a cantora em seu perfil oficial no Twitter.
O sargento Edgard Menezes, presidente da Associação dos Militares de Sergipe (Amese), disse que os policiais vão recorrer da sentença. "Respeitamos o magistrado, mas essa sentença abre um precedente perigoso. Você já imaginou se em todo show a plateia resolver xingar os policiais? Será que a tropa vai ter a mesma calma que aquela que estava presente no evento teve, para esperar terminar o show e só depois dar voz de prisão?", disse o sargento.
"Nós vamos recorrer até o último grau para que o caso tenha uma punição exemplar. A artista fez apologia de drogas durante o show, são figuras públicas que manipulam as massas, isso é perigoso. A gravação de vídeo mostra que os policiais não agiram com truculência, como a artista afirmou. A atitude dela poderia ter causado uma tragédia", completou Menezes.
AÇÃO CRIMINAL
No ano passado, Rita Lee chegou a um acordo com o Ministério Público de Sergipe para evitar a abertura de um processo criminal por desacato a autoridade. Com o processo encerrado, ela ainda aguarda comunicação da Justiça para depositar R$ 40 mil ao Fundo Municipal para Criança e Adolescente da Barra dos Coqueiros.

ESTAMOS QUASE SOZINHOS NESTA LUTA!

QUE SAIBAMOS IDENTIFICAR E APOIAR OS NOSSOS VERDADEIROS REPRESENTANTES!

QUE DEUS NOS AJUDE E OLHE POR NÓS!